Pesquisar este blog

terça-feira, 5 de julho de 2011

Nostalgia

E então eu subi no ônibus.
Sentei lá no fundo para esperar a minha parada. Vesti o capuz, pus os fones de ouvido... A nostalgia dele havia passado para mim, tive certeza disso assim que fechei os olhos. Felizmente, em pouco tempo chegaria ao meu destino.
Os fones apenas abafam um pouco o som do exterior, as pessoas falando, discutindo, brigando, o tempo passando e cada vez que eu me dava por mim, todos os meus “eus” estavam mais e mais nostálgicos, o barulho exterior parou, finalmente havia emergido completamente em minha cápsula de pensamentos. Sozinha. Uma única lágrima escorreu pela minha face.
Ahh! Que saudades que tinha dessa velha nostalgia! Maldita e abençoada, sentimento dos infernos!
Minha respiração se tornava cada vez mais e mais pesada... O ar parecia uma substância intragável e, ao mesmo tempo, um vício avassalador. Sem dúvidas filosofar não era divertido, não chegava a respostas, nem a conclusões, senão à mais perguntas, se filosofa para chegar às perguntas certas.
Era tal a paixão que eu tinha por essa nostalgia que ela não me fazia sentir mal, não mais, apenas me enchia de um sentimento de vazio e ceticismo, que me retorcia por dentro e me maravilhava, me dava vontade de entregar-me à vida em sua plenitude e ao mesmo tempo nunca mais falar com ninguém, eram meu lado bom e o ruim coexistindo pacificamente, era algo... Alguma coisa tocou o meu ombro.
- Senhorita? – Balançam meu ombro – Senhorita?!
- Ehh... Ammm... Sim? – Digo sonolenta. – O que foi? – Digo entre um bocejo e outro.
- Senhorita, chegamos a nossa última parada. – Diz o motorista do ônibus, sem tirar seu costumeiro palito de dentes da boca.
- Ehh? Mas... JÁ?! – Olho para fora. Tudo está escuro, olho o relógio, nove e quarenta e três. Arregalo os olhos, não há mais ninguém no ônibus.
- Moça, você tem que sair do ônibus. – Ele diz.
Recolho as minhas coisas e levanto-me. Não sei como vou voltar para casa. Agora pouco me importa... Realmente, a nostalgia é o pesadelo da alma.

Essa é uma homenagem ao Meia Passagem lá do Facebook =D se quiserem visitem! Vale a pena!
Continue com o bom trabalho pai! (Cajá)

(Gente é só clicar em "Cajá" para ir para o perfil do criador do meia passagem e clicar no "Meia Passagem" para ir para a página oficial ^^)

Também podem visitar o recém-feito tumblr neste link --> http://meiapassagem.tumblr.com/

6 comentários:

  1. Anah, às 20:00 de hoje o Sete Ramos homenageia Acácia. Tomei a liberdade de mencionar seu nome na matéria, com a Débora. Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Anah, valeu mesmo! E você também está escrevendo cada vez melhor. Todos os beijos do seu Pai.
    Cajá.

    ResponderExcluir
  3. Barcellos ;) blz já to com a mão no gatilho

    ResponderExcluir
  4. Que lindo texto Ana, é um dos seus melhores textos filha! Vc está certa, a questão é sempre a pergunta certa. Amei. Parabéns de todo coração. Fiquei tocada. Beijos! A.

    ResponderExcluir
  5. Lá na Acácia, cujos trabalhos me encantam, vi referência a você e, como não poderia deixar de ser, vim conferir. As palavras dela são verdadeiras. Você é talentosa!!!!!
    Bjs.

    ResponderExcluir